Tolerância

A história da humanidade é de muita luta e superação.

Vencemos as dificuldades da natureza, as intempéries, doenças, cataclismos e animais ferozes.

Infelizmente ainda não conseguimos vencer o egoísmo e orgulho que dominam os nossos interesses e falam mais alto que valores humanos básicos como respeito à diferença, por exemplo.

Segundo o dicionário tolerância é suportar, aceitar um elemento contrário à própria norma ou regra tida por aceitável ou correta.

É simplesmente respeito ao outro.

Sem isso impossível a vida em sociedade.

Em 2008 o curta de animação Tolerantia dirigido por Ivan Ramadan recebeu diversos prêmios pelo mundo, e utiliza o conflito entre dois gigantes como metáfora para a necessidade de dominação entre indivíduos e aponta para a dificuldade de relacionamento cada vez maior na sociedade.

A história se passa na Bósnia-Herzegovina e dispensa maiores comentários:

Precisamos rapidamente rever nossos conceitos e as regras de convivência! Senão…

Anúncios

O ócio criativo

O futuro pertence àqueles que serão mais capazes de usar as próprias cabeças do que as próprias mãos. Newsweek

CapaOcioCriativo_18mm.pdfApesar de conhecer por textos esparsos o famoso livro O Ócio Criativo, de Domenico de Masi, somente recentemente estou tendo oportunidade de fazer uma leitura meditada.

De fato, é uma obra interessante, mais como uma constatação da realidade contemporânea do que uma tese sociológica.

Não se trata de um sociólogo de gabinete, mas de alguém que está refletindo a nova tendência e vislumbrando como será o futuro.

O ócio no entendimento dos gregos da antiguidade é totalmente diferente do conceito atual.

Entendemos o ócio como algo negativo, pernicioso, porque a ociosidade é tida como inutilidade, preguiça, desocupação e vagabundagem.

No entanto, a ideia transmitida pelo livro é muito simples.

Entende o ócio como o período do tempo livre que é usado para exercer a criatividade.

Parte da premissa de que a era industrial está superada, que vivemos o que ele chama de fase pós-industrial, que é marcada pela mais pela prestação de serviços do que pela indústria convencional, aquela da linha de montagem e de fábricas.

Segundo De Masi, a tecnologia substituirá o serviço meramente operacional e repetitivo (como já está acontecendo), e o trabalho a ser realizado pelo ser humano é o trabalho da criatividade.

Aliás, somente o ser humano pode ser criativo.

E a grande questão que surge, e é o que me levou ao estudo deste livro, é o que iremos fazer com o tempo livre?

A maioria de nós não é nem treinada para ter tempo livre.

Este novo modelo de civilização, nos pede uma melhor qualidade no aproveitamento do tempo, utilizando para passar com a família, para adquirir cultura e conhecimento, para realizar um trabalho que contribua com a vida em sociedade.

Não é “ficar à toa”, mas utilizar este tempo para crescimento pessoal, e uma melhor qualidade de vida.

Uma síntese do que é proposto neste novo modelo:

  • Baseado na simultaneidade entre trabalho, estudo e lazer;
  • Centrado mais no crescente tempo livre do que no tempo decrescente dedicado ao trabalho;
  • Atento à distribuição equânime da riqueza, assim como à sua produção de forma eficiente;
  • Militante pela redistribuição do tempo, do trabalho, da riqueza, do saber e do poder;
  • no qual os indivíduos e a sociedade são educados a privilegiar a satisfação de necessidades radicais, como a introspecção, o convívio, a amizade, o amor e as atividades lúdicas.

Enfim, é uma crítica muito lúcida ao atual modelo de idolatria ao trabalho e à competitividade, que de alguma forma favorece o ego

Domenico de Masi

Domenico de Masi

ísmo e o individualismo, mas não é uma crítica vazia, pois tem a apresentação de uma proposta realizável, e que já está em curso.

Acho que este é um caminho inevitável, pois não tem sentido confundir o objetivo com o meio.

Trabalho e riqueza são apenas um meio, uma ferramenta para aquisição de valores maiores, tais como espiritualidade, amizade, convívio pessoal e amor.

Bem vindo ao Novo Mundo!