Se você acredita, você pode!

Se você acredita, você pode!

Anúncios

Necessidade de liderança

Assisti há alguns dias uma interessante palestra com Waldez Ludwig em um evento organizado pelo SEBRAE e Associação Comercial em São Sebastião do Paraíso.

Além do impressionante e expressivo público presente (confesso: senti inveja!), o competente palestrante nos levou a várias reflexões importantes.

Uma delas me fez meditar um pouco mais.

Ele afirmou que existem quatro coisas sem as quais o ser humano não vive: informação, água, alimento e liderança. Nesta ordem de importância.

O segundo e terceiro item são pacíficos. A informação ficar em primeiro lugar pode causar estranheza, mas se não tiver informação correta sobre a água e o alimento, de nada vale ter os dois.

Mas a questão da liderança realmente faz pensar.

Podemos compreender que a vida em sociedade obedece a uma lei natural. De fato, como não há nada inútil na natureza, seria difícil encontrar uma razão para que o Criador tivesse nos dado as faculdades de comunicação e outras necessárias à vida de relação.

Constata-se facilmente que os deveres de solidariedade da vida em sociedade facilitam o progresso de todas as formas.

E isso cria necessidades colaborativas.

Pois bem. Então o ser humano ou lidera ou é liderado.

O que distingue uns e outros?

Senso de iniciativa, a vontade de mudar a situação, o sentimento de que podemos fazer mais e melhor.

E os valores que devem nortear o líder foram demonstrados pelo Maior deles que por aqui já passou: valorização do ser humano, minimização dos defeitos e fortalecimento das virtudes e capacidades individuais, capacitação e treinamento da equipe, e principalmente a exemplificação, dentre outros.

Vivemos uma crise de lideranças em todos os setores, políticos, das organizações. Um exemplo? Quem é o presidente da associação do seu bairro?

Há quantas eleições não temos votado no “menos pior” por falta de opções?

Uma triste constatação disso está ocorrendo nas famílias. Quando os pais não assumem o papel de líderes dos núcleos familiares, alguém assume. E esse é o traficante, o chefe da gangue, o valentão da escola, o malandro que sabe exatamente como atrair e motivar aquela criança ou adolescente que não tem referências seguras e base moral firme.

Infelizmente não é da cultura do brasileiro preparar-se e ter uma formação para liderança.

Precisamos de pessoas que saibam para onde ir.

Que consigam aglutinaro maior número de pessoas em torno de propostas realizáveis. Que sejam comprometidos com um ideal maior e superior de servir e ser útil ao maior número de pessoas possível.

As inscrições estão abertas, candidate-se e assuma seu posto!