Dica de filme: A partida

 

A dica de hoje é sobre um filme lindo e comovente: A partida filme japonês que foi o vencedor de melhor filme estrangeiro na premiação do Oscar de 2009.

O motivo do filme é aparentemente a morte, mas na verdade fala mesmo é de vida e o modo como a encaramos.

Daigo Kobayashi (Masahiro Motoki), um violoncelista que toca em uma grande orquestra em Tóquio. Com o fechamento da orquestra e em razão de dificuldades financeiras ele é obrigado a se mudar juntamente com a esposa para sua cidade natal, onde herdou uma casa de sua mãe e possui vários amigos de infância.

Com dificuldade para arranjar emprego é atraído para um anúncio que menciona partidas, imaginando se tratar de uma agência de turismo. Mas a vaga é para ser um nokanshi, que é uma função antiga da tradição japonesa que é especialista em lavar e preparar o cadáver antes da cerimônia final.

Continuar lendo

Anúncios

Pai de assaltante procura vítimas para devolver dinheiro

É por estas e por muitas, muitas outras que não perco a fé na minha raça.

Os seres humanos têm a capacidade de surpreender.

Basta querer.

Um momento de dor e de humilhação em uma vida de muito trabalho, de pobreza material e de enfrentamento de problemas, mas que não são capazes de retirar a dignidade e o senso de justiça de um pai.

Pai de assaltante procura vítimas para devolver dinheiro

CHICO SIQUEIRA, ESPECIAL PARA AE – Agência Estado

O auxiliar de pedreiro Dorivaldo Porfírio de Lima não tem carteira assinada e recebe pouco mais de um salário mínimo por mês. Mesmo assim, procurou as vítimas dos assaltos praticados pelo filho para os ressarcir dos prejuízos. Assinou notas promissórias e vai pagar em 10 parcelas parte dos R$ 1,5 mil roubados pelo filho de um posto de combustíveis e de uma farmácia da cidade de Jales, no interior de São Paulo. A história sensibilizou os moradores da cidade, que estão ajudando o auxiliar a pagar os prejuízos. Continuar lendo

Quanta violência! Por quê?

violencia

Aqui em minha cidade, Passos, no interior de Minas Gerais casos de violência por banalidades como estas descritas no artigo são frequentes. E não é só aqui. Cidades menores enfrentam o mesmo problema.

Este texto é de pouco mais de dois anos atrás e continua atual, e lamentavelmente continuará por muito tempo.

A solução está em nós. Sem uma mudança radical da forma como vemos a vida, dos valores que nos orientam, infelizmente o resultado é quase matemático: mais violência a cada dia.

Reflitam e opinem.

Quanta violência! Por quê?

por Dom Odilo P. Scherer

Notícias chocantes sobre atos violentos se multiplicaram nas últimas semanas: é filho que degola os pais, jovem que chega ao bar, ferindo e matando porque alguém mexeu com a namorada, mulher que mata a filhinha do amante, motorista que lança o carro sobre ciclistas em passeata pela rua; são adolescentes que matam a coleguinha rival no primeiro amor… E os casos poderiam continuar, é só seguir o noticiário de cada dia.

Continuar lendo