O Estado somos nós!

Operários - por Tarsila do Amaral

“O estado é a ordem jurídica e soberana que visa promover o bem comum de um povo que está situado em seu território” Dalmo de Abreu Dalari ¹

Não consigo entender o Estado e até mesmo sua existência se não for em função do povo.

Consigo entender que é uma criação do tempo, obviamente não definitiva.

A capacidade de organização dos seres humanos sempre procurou uma forma de melhor atender aos seus objetivos.

L’État c’est moi“² teria dito um soberano francês. Continuar lendo

Sempre vivemos em crise!

renovar01

Crise é uma palavra de valor relativo, subjetivo.

O que é crise para alguns, pode ser oportunidade para outros. Ou para os mesmos, por há a solução dentro do próprio problema. É só um modo pelo qual se observa a crise.

Diferente de recessão econômica que pode ser um fato. Mas ainda assim há a possibilidade de encontrar inúmeras possibilidades mesmo neste cenário.

A palavra crise alardeada pelos meios de comunicação e que parece contagiar as pessoas serve sim para desestimular a maioria e servir de desculpa para a preguiça de muitos. Continuar lendo

A fé

fé

Costumamos pensar que fé é algo ligado à religião.

Já escrevi aqui algo sobre acreditar em Deus ou não.

Lamentavelmente não conseguimos, ainda, compreender que a nossa ligação com a Divindade é inerente à nossa própria criação e independe de crença ou de descrença. Pouco importa se você acredita ou não na existência de um Criador. Pouco interessa se você acha que é objeto de uma geração espontânea.

Fé no dizer contido em O Evangelho Segundo o Espiritismo[1]:

“Fé é a vontade de querer e a certeza de que essa vontade pode obter satisfação”.

Vontade de querer! Não apenas um desejo tênue e fugaz. Mas uma vontade firme e inabalável.

E quando obtemos a certeza de que vamos ter nossa vontade satisfeita isso é fé.

Mas quis a Lei Universal que somente merece esta satisfação aquele que tem esta vontade inabalável.

É como que se algo dissesse: “veja bem quem merece receber isso é só quem paga o preço”.

Eis o ponto!

Será que estamos dispostos a pagar o preço para obtermos o que desejamos qualquer que seja este objeto?

Estudar exaustivamente para uma prova.

Debruçar sobre um tema e esquadrinhá-lo para obter conhecimento.

Trabalhar incessantemente por um objetivo.

Ter disciplina para conseguir juntar dinheiro para comprar algo que desejamos.

Conseguir a força necessária para perdoar e não cultivar a mágoa.

Veja bem que tudo o que queremos obter tem um preço a ser pago.

Se a vontade é firme o suficiente certamente irá obter satisfação.

Com estas singelas palavras eis o que venho entendendo por fé.

 

[1] Leia o texto na íntegra aqui

Espetáculo diferente!

quarteto_cordas_libertas_-_01

Não é comum termos espetáculos de música clássica no interior do Brasil.

Mas no domingo passado (06/12/2015) fomos agraciados aqui em Passos – MG com uma apresentação primorosa do Quarteto de Cordas Libertas composto é composto por músicos integrantes da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais: Kyung Jung (violino), Rodrigo Bustamante (violino), Gerry Varona (viola) e Eduardo Swerts (violoncelo).

Executaram duas peças, uma Borodin e uma de Beethoven, esta última eu gravei um pequeno trecho em meu celular só para compartilhar por aqui.

A iniciativa é do Crea Cultural – Associação Cultural dos Profissionais do CREA-MG, que mantém o  Projeto Interiorização Cultural, visando a promoção da cultura, do conhecimento científico, da defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico no Estado de Minas.

Meu vídeo é amador e foi gravado de um celular, mas você pode assistir ao Quarteto no canal do Youtube.

Obrigado ao Crea Cultural e aos músicos que aceitaram a empreitada.

Diante da Vida!

oliver-sacks

Hoje faleceu Oliver Sacks, médico, neurocientista e escritor inglês que emocionou o mundo com vários livros que se tornaram best-sellers. Tinha 82 anos e descobriu há pouco tempo um câncer terminal.

Em fevereiro de 2015 publicou um artigo no The New York Times relatando a descoberta deste câncer e suas expectativas quanto ao tempo restante de vida neste plano.

A morte é uma certeza de tudo o que tem vida física. Isso é um fato. Vivemos na expectativa incerta de quando será este dia.

Incrivelmente a maioria de nós rejeita sequer conversar sobre a morte como se fosse algo distante e impossível de acontecer a nós ou que fosse uma tragédia irremediável.

Vamos conversar mais sobre o assunto em outra oportunidade, mas hoje vou publicar a comovente e lúcida carta de Oliver Sacks que paradoxalmente fala da vida e do viver, na tradução do site Papo de Homem que você pode ler originalmente Oliver Saks.

Embora ele revele o medo desta nova condição, intuitivamente ele dá conta da confiança na continuidade.

De fato, tudo é vida. Sempre é vida!

Felicidades Dr. Oliver Sacks nesta sua nova etapa de vida!

Continuar lendo