Desejos de um ano bom

introspecção

Final de ano tem retrospectiva.

Na TV você consegue ver a repetição de várias desgraças que aconteceram no último ano. Ou mesmo fatos que pouco têm a ver com a sua realidade.

Li alguma vez uma proposta interessante de Luciano Pires, que fizéssemos uma introspectiva ao invés de retrospectiva.

Mas penso que devemos fazer uma avaliação constante da nossa vida. Aliás, isso tem que ser feito diariamente, avaliando a nossa consciência sobre a nossa atuação diária, o que fizemos de correto ou incorreto durante o dia.

Esta avaliação de final de ano também pode ser positiva. Mas proponho que não se olhe tão somente os atos objetivos ou realizações da vida material ou profissional.

Tente olhar para o intangível. Para o essencial que é invisível aos olhos.

Por isso eu desejo que neste último ano você tenha perdoado alguém.

E que se ofendeu alguma pessoa possa ter tido condição de pedir perdão e reparar o mal feito, se isso for possível. Por que é necessário nos reconciliarmos com os adversários.

Desejo também que você tenha tido oportunidade de vivenciar atitudes de amor verdadeiro, pequenas, porém imprescindíveis, e que possa ter tomado como exemplo em sua própria vida.

Que tenha chorado. Por uma dor sua ou de alguém amado. E que este choro possa te fazer refletir no quanto é importante tentar minimizar a infelicidade alheia, e nunca sermos pedra de tropeço para ninguém.

Espero que tenha cometido erros – porque todos nós  fazemos isso! – mas que tenha percebido que o erro não existe por si mesmo, ele é só uma forma de aprendizado. E agora você já sabe a forma correta de fazer ou de não fazer.

E que também tenha sentido saudade de alguém ou de algum acontecimento, para que na próxima vez que estiver com seus afetos vocês esteja de corpo e alma, aproveitando cada segundo de convivência.

Que ao menos uma vez você tenha sorrido sincera e gostosamente.

E que tenha tido oportunidade de fazer alguma criança ou para algum idoso feliz. Isso não tem preço.

Que tenha sentido gratidão por tudo o que recebeu. De bom ou de ruim. Porque tudo é oportunidade.

E assim você termine este ano consciente que cresceu um pouquinho, pessoal e espiritualmente, porque é conquistando o intangível que realizamos todas as outras conquistas.

 

 

Anúncios

Há um tempo…

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares.

É o tempo da travessia; e se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.” 

Fernando Teixeira de Andrade 

Perspectivas

Quais são as suas perspectivas?

Para onde suas atitudes, pensamentos e sentimentos estão te levando?

Anseios? Medos?

O que espera da vida? E o que faz para que isso se concretize?

Excelente documentário para ajudar nesta reflexão.

co-produção: Núcleo Educatho
nucleoeducatho.com.br

realização: FILM3
film3.com.br

Nas orações de Natal

“Prince of Peace”Akiane Kramarik

NAS ORAÇÕES DE NATAL

Rememorando o Natal, lembramo-nos de que Jesus é o Suprimento Divino à Necessidade Humana.
Para o Sofrimento, é o Consolo;
Para a Aflição, é a Esperança;
Para a Tristeza, é o Bom Ânimo;
Para o Desespero, é a Fé Viva;
Para o Desequilíbrio, é o Reajuste;
Para o Orgulho, é a Humildade;
Para a Violência, é a Tolerância;
Para a Vaidade, é a Singeleza;
Para a Ofensa, é a Compreensão;
Para a discórdia, é a Paz;
Para o egoísmo, é a Renúncia;
Para a ambição, é o Sacrifício;
Para a Ignorância, é o Esclarecimento;
Para a Inconformação, é a Serenidade;
Para a Dor, é a Paciência;
Para a Angústia, é o Bálsamo;
Para a Ilusão, é a Verdade;
Para a Morte, é a Ressurreição.
Se nos propomos, assim, aceitar o Cristo por Mestre e Senhor de nossos caminhos, é imprescindível recordar que o seu Apostolado não veio para os sãos e, sim, para os antigos doentes da Terra, entre os quais nos alistamos…
Buscando, pois, acompanhá-lo e servi-lo, façamos de nosso coração uma luz que possa inflamar-se ao toque de seu infinito amor, cada dia, a fim de que nossa tarefa ilumine com Ele a milenária estrada de nossas experiências, expulsando as sombras de nossos velhos enganos e despertando-nos o espírito para a glória
imperecível da Vida Eterna.

Emmanuel

Do livro “Os Dois Maiores Amores”, psicografia de Chico Xavier.

Estudante sou.

Estudante sou. Nada mais. Mau sabedor, fraco jurista, mesquinho advogado, pouco mais sei do que saber estudar, saber como se estuda, e saber que tenho estudado. Nem isso mesmo sei se saberei bem. Mas, do que tenho logrado saber, o melhor devo às manhãs e madrugadas. Rui Barbosa

Em 18 de dezembro de 1996 eu recebi meu diploma de graduação em direito.

Foi um misto de alegria, uma incrível sensação de vitória e uma grande responsabilidade. Sim, porque pobre, filho de pais incultos (trabalhadores mas sem instrução formal) o risco de o diploma ficar apenas dependurado em uma parede é muito grande. Continuar lendo