Dica de filme: Precisamos Conversar sobre o Kevin

Em dezembro de 2012 o mundo assistiu estarrecido a um novo massacre nos EUA.

O modus operandi é conhecido. Uma pessoa invade uma escola e mata diversas pessoas de forma covarde e de modo a impossibilitar a defesa.

Além da atitude covarde de não permitir defesa, chama a atenção pelo caráter aleatório da escolha das vítimas, ou quem é encontrado pelo assassino, e o que causa maior comoção, o fato de muitas vezes se tratar de crianças.

Neste caso de Newtown, Connecticut, o atirador matou 27 pessoas em sua maioria crianças entre 5 e 6 anos, e a sua própria mãe (relembre aqui).

Aqui no Brasil tivemos o caso da escola em Realengo no Rio de Janeiro ocorrido em 2010 (relembre aqui).

Os questionamentos são variados e a sociedade procura atônita entender o motivo que leva a esta barbárie, acho que com a intenção de procurar uma prevenção ou mesmo de identificar onde está o erro.

Sobre o tema em várias perspectivas recomendo Precisamos Conversar sobre o Kevin.

O filme é denso, muito bem feito e a atriz Tilda Swinton dá um show de interpretação como Eva Katchadourian, a mãe de Kevin. Baseado no romance de Lionel Shriver proporciona uma visão totalmente diferente sobre o tema, sem firulas, sem generalizações e sem dar respostas prontas a quem assiste.

Enfim, um filme que nos leva a pensar e a refletir sobre a vida, família, valores e de onde vêm os nossos filhos.

Todos pensamos em como as mães das vítimas mortas em situações semelhantes irão se portar depois do episódio, como irão levar a vida. Mas e a mãe da pessoa que comete o crime?

Como a sociedade se comporta com ela? O que fez ou o que não fez para evitar isso? É ela a culpada?

A sociedade hipócrita e individualista que criamos não entende e cobra justamente de quem sofre e muito por isso.

O roteiro é muito bem elaborado e começa mostrando as consequências na vida de Eva, pós-massacre, sem esclarecer o óbvio e sem lugar-comum, mas que vamos intuindo no decorrer do filme.

É filme para refletir mesmo.

As críticas e opiniões que li a respeito não conseguem imaginar além da existência humana, da tragédia em si, obviamente limitados por uma visão restrita que vê a vida tão somente do berço ao túmulo, ignorando a preexistência da alma.

Justamente ponto fiquei refletindo sobre as nossas prioridade neste mundo, e como faríamos para educar um espírito que retorna com estas características de psicopatia, demonstrando insensibilidade e desprezo pela vida e pela dor dos outros.

Assista ao filme, reflita e compartilhe sua opinião comigo.

Veja o trailer:

Anúncios

Muito obrigado por compartilhar sua opinião. Em breve seu comentário estará publicado. ESpero que tenha marcado o item "seguir comentários" para saber o que outras pessoas estão falando também. Ah, e se quiser: siga o blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s