Delaíde a empregada doméstica que virou ministra do TST

Delaíde a empregada doméstica que virou ministra do TST 

Agência Pará

 

Delaíde Alves Miranda Arantes, 60 de idade atual, a doméstica que virou ministra do TST, encara a aprovação da PEC das Domésticas como “momento histórico para o país”. 

Nascida em 1º de maio de 1952, está no tribunal desde 1º de março de 2011. Filha de agricultores, nasceu e criou-se na cidade de Pontalina (GO), onde passou a ajudar o pai na lavoura no início da adolescência, junto com os oito irmãos, plantando milho e feijão.

Aos 14 anos saiu do campo para concluir o ensino fundamental na cidade, onde trabalhou por um ano como empregada doméstica e dois anos como recepcionista no consultório de um médico, que a incentivou a estudar.

Mudou-se para Goiânia e aos 18 anos voltou a trabalhar como empregada doméstica enquanto estudava. Aos 23 começou a cursar Direito no Centro Universitário de Goiás (Uni-Anhanguera), patrocinada pelo então crédito educativo, um programa de bolsa estudantil do governo.

Deixou o emprego de doméstica e começou a estagiar num escritório de Advocacia, onde passou a se dedicar ao Direito Trabalhista. Após se formar, abriu o próprio escritório, especializado em relações trabalhistas, onde trabalhou por cerca de 30 anos.

Em 2011 foi indicada pela OAB para ocupar uma vaga de ministro do TST, tendo o nome escolhido pela presidenta Dilma Rousseff. Poucos dias depois da posse, ela afirmou que “a permanência profissional dessa categoria profissional como subclasse trabalhadora é nadmissível, diante dos avanços políticos, sociais e econômicos do país”.

Delaíde admite que “será necessário, no entanto, um período de adaptação, marcado sobretudo por mudanças culturais”.

Ela concedeu interessante entrevista ao jornal Correio Braziliense, nesta quinta-feira (28). Leia a íntegra.

*  *  *  *  *

Como patrões e empregados colocarão a PEC em prática?

De preferência, fazendo um contrato escrito, listando as obrigações de cada um. É momento de dialogar. Não é justo, por exemplo, que a empregada silencie agora e, daqui a cinco anos, acione a Justiça trabalhista. Toda mudança cultural é gradativa. E qualquer alteração legislativa não deixa de ser uma imposição. Por isso, tantas contestações. Mas não são muitos os direitos acrescidos. O mais polêmico será mesmo mensurar a jornada de trabalho.

O embate não será inevitável?

Eu diria que a relação de trabalho se tornará mais exigente. A empregada vai buscar mais direitos, porque está melhor informada. E o empregador, naturalmente, também terá motivos para fazer valer aquilo que a lei agora autoriza. Embates existirão, mas serão superados. O importante é que o Brasil está pagando uma dívida enorme com os trabalhadores domésticos.

Como conciliar as novas regras com as peculariedades dessa relação?

A regulamentação vai cuidar disso. Não podemos conceber que a legislação imponha exigências impossíveis de serem cumpridas. Por conta da relação de confiança entre patrão e empregado, o grau de formalidade também não poderá ser muito grande, sob o risco de a dona de casa ter de contratar um contador. Da mesma forma, o registro da jornada não poderá ser tão rigoroso. Não se pode pensar em ponto eletrônico, por exemplo.

As duas partes estavam preparadas para esta nova realidade?

O impacto não será tão grande assim. A PEC não está equiparando os lares a uma multinacional. O que está acontecendo é a implementação de uma série de direitos. Impacto grande seria se toda a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e a Constituição fossem aplicadas aos empregados domésticos, mas não é esse o caso.

Não haverá muitas demissões ou ao menos uma migração significativa para a função de diarista?

Não acredito. As empregadas estão com medo de serem demitidas porque os patrões estão muito preocupados, sem saber direito o que está acontecendo. Acredito, sim, que a PEC vai é estimular uma melhor formação profissional dos empregados domésticos.    

Leia também na base de dados do Espaço Vital
Anúncios

Muito obrigado por compartilhar sua opinião. Em breve seu comentário estará publicado. ESpero que tenha marcado o item "seguir comentários" para saber o que outras pessoas estão falando também. Ah, e se quiser: siga o blog.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s